Lúcia Sebe/Imprensa MG

Na segunda-feira (07), em reunião da Comissão do Plano de Carreira, o governo apresentou uma contraproposta ao Plano construído no âmbito da Comissão criada para este fim após a nossa greve de 2015.

Mantendo a nomenclatura das carreiras atuais, afirmou que concederá ao IMA os mesmos parâmetros que concederá aos servidores do SISEMA. A Subsecretária de Gestão de Pessoas da SEPLAG, informou que enviará a proposta à Secretaria da Fazenda para atualização do impacto financeiro, mas que será em torno de R$ 60 milhões para o IMA, isso já considerando a redução do VT da GEDIMA.

O governo entende a importância do trabalho do IMA, mas por enquanto é o que é possível ser feito em um cenário de crise econômica, não abrindo possibilidade de negociação. O nosso Plano está na mesma fase de aprovação que a proposta do SISEMA e será enviado à Assembleia Legislativa para aprovação após o aval da Secretária de Fazenda e o fim das vedações da Lei de Responsabilidade Fiscal, que será revista em setembro, com a divulgação dos indicadores econômicos do último trimestre.

A implementação da Comissão para elaboração do Plano de Carreiras foi um pleito da nossa greve de 2015, e o SINDAFA-MG participou desde o início da elaboração do novo Plano de Carreiras pensando no melhor para os servidores do IMA.

Apresentamos uma proposta dentro do prazo estipulado na época da greve e agora o governo nos apresentou a contraproposta, e não abre mão de algumas premissas. Assim que os cálculos estiverem prontos, seremos chamados para novas diretrizes.

Priscila Gonçalves Dias Presotti

Vice-presidente SINDAFA/MG

Belo Horizonte, 07 de agosto de 2017.