Artigo de Maria Alice de Sene Moreira , Fiscal Agropecuário Estadual. Esp. Docência do Ensino Superior pela Universidade Cândido Mendes. Graduada em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Uberlândia. Docente do Curso de pós-graduação em Bovinocultura de leite da Faculdade Cidade Coromandel .

RESUMO

A brucelose, zoonose de distribuição mundial, foi descoberta nos seres humanos e posteriormente diagnosticada em animais. Atualmente é vista com maior importância no meio veterinário e desconhece a sua real ocorrência tanto nos animais quanto nos humanos. Este trabalho tem como objetivo, confrontar a ocorrência da brucelose animal com a ocorrência da mesma no ser humano justificando a necessidade do controle e erradicação da enfermidade nas espécies acometidas. O recurso metodológico usado foi a pesquisa bibliográfica da literatura científica publicada até o momento. Com a realização deste estudo detectou-se a necessidade de realização de pesquisas com o intuito de conhecer melhor a distribuição da enfermidade nas espécies afetadas cruzando os dados epidemiológicos dos humanos e dos animais e culminando com a confecção de protocolos de brucelose humana que norteiem os profissionais da saúde nas decisões e ações a serem tomadas em prol do controle da doença.

Palavras-chave: Zoonose. Saúde única. Saúde pública.

Introdução

A brucelose, também denominada febre de Malta, febre ondulante, febre do Chipre, febre de Gibraltar ou febre Mediterrânea, causa diversas perdas econômicas (Pisani, Vacarezza, Tomasina, 2017). É uma zoonose de distribuição mundial, causada pelo gênero Brucella spp e considerada um sério problema de saúde pública (GENOVEZ, 2014).

Gomes (2014) reporta a existência de 10 espécies no gênero Brucella spp. Cada uma com um hospedeiro preferencial. São elas: B. abortus (bovinos); B. melitensis (caprinos e ovinos); B. suis (suínos); B. canis (caninos); B. ovis (ovinos); B. neotomae (rato‑do‑deserto, Neotoma Lepida); B. microti (camundongo‑do‑campo, Microtus Arvalis); B. ceti (cetáceos — golfinhos e baleias); B. pinnipedialis (pení‑ pedes – focas) e B. inopinata (homem). Aproveita o ensejo para informar que exceto B. neotomae e B. ovis, todas as espécies são capazes de infectar o homem.

Foi descoberta como uma enfermidade humana e após alguns anos sua ocorrência foi caracterizada em animais. A partir de então a infecção animal ganhou destaque e a infecção humana permaneceu em segundo plano (MATHIAS, 2008).

Em humanos a infecção é considerada acidental (PAULA et al, 2015). Todavia, assume grande importância devido à variabilidade de sintomas inespecíficos que dificultam o diagnóstico nesta espécie.

Devido à dificuldade diagnóstica Genovez (2014) acredita que verdadeira incidência da brucelose humana pode ser bem superior aos dados oficiais. Supõe que ocorra subdiagnóstico e subnotificação.

Diante do contexto apresentado objetivou-se, com este estudo, confrontar a ocorrência da brucelose animal com a ocorrência da mesma no ser humano justificando a necessidade do controle e erradicação da enfermidade nas espécies acometidas.

O recurso metodológico usado foi a pesquisa bibliográfica da literatura científica publicada até o momento.

Desenvolvimento

É inevitável relacionar a saúde humana e a saúde animal já que desde os primórdios da civilização humana foi constatada a relação entre eles. Primeiramente para alimentação, passando pelo desenvolvimento sócio-epidemiológico e chegando na companhia. Relação vivenciada até a atualidade e cada vez com maior intensidade. No entanto este relacionamento pode promover a propagação de doenças. Elas são conhecidas como zoonoses e podem ter gravidades variadas.

A brucelose é uma delas, tem como o agente etiológico a bactéria do gênero Brucella e que foi assim denominada por ter sido identificada por Bruce em 1887.

A transmissão entre pessoas é raríssima e de acordo com Genovez (2014) a B. melitensis embora não detectada no Brasil, é responsável pela doença clínica mais severa.

A B.abortus infecta primariamente bovinos e bubalinos, assim como o homem, sendo que maiores prejuízos causa à bovinocultura do país, em função da extensão dos rebanhos brasileiros e de áreas com prevalências altas. A B.canis é a que apresenta menor patogenicidade para o homem e está bastante difundida no Brasil, especialmente nas grandes cidades.

Apesar de apresentar ampla distribuição geográfica a brucelose humana ocorre com maior frequência no Oriente Médio, Ásia, África, América do Sul e Central, bacia do Mediterrâneo e Caribe. A distribuição geográfica da doença humana coincide com a endemia animal (PESSEGUEIRO; BARATA; CORREIA, 2003).

Lopes; Nicolino e Haddad (2010) consideram que a brucelose é bem controlada em países desenvolvidos devido às ações de prevenção dos programas de vacinação de gado doméstico e demais animais, no entanto, de acordo com Genovez (2014) a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece que mesmo nos países desenvolvidos, a verdadeira incidência da brucelose pode ser cinco ou mais vezes do que os números oficiais sugerem.

No Brasil, apesar da diminuição na prevalência de focos nos últimos dez anos, a brucelose bovina ainda se encontra presente em diversos estados (Leal Filho et al., 2016). A detecção precoce e a notificação, assim como o compartilhamento de informações entre países, são pontos chaves para uma pronta resposta, tanto em âmbito nacional quanto global (ZANELLA, 2016).

Os animais transmitem a enfermidade aos homens por contato direto, por inalação de aerossóis ou por ingestão de produtos de origem animal que não foram pasteurizados (Pisani; Vacarezza; Tomasina; 2017).

Nos bovinos infecções transplacentárias ou perinatais podem acontecer, originando infecções latentes. Touros infectados em geral não transmitem a doença por monta natural, mas o uso do sêmen destes pode ser fonte de infecção para fêmeas inseminadas. A transmissão venérea ocorre, sobretudo, na espécie suína (MEGID et al., 2010).

Nos animais é uma doença crônica que permanece por toda a vida enquanto nos humanos a sua incidência é variável de acordo com as circunstâncias laborais ligadas aos profissionais da pecuária expostos e ao consumo de produtos infectados (Guerrier et al, 2011).

Os grupos de risco estão constituídos por médicos veterinários, trabalhadores de frigoríficos, funcionários de estabelecimentos de leite e carne e os técnicos de laboratório (LÓPEZ, 2014).  No estudo realizado por Mufinda et al (2017), 74.4% dos infectados eram profissionais sem instrução o que demonstra a necessidade permanente de instrução dos profissionais envolvidos como por exemplo os margarefes e vacinadores.

Nos seres humanos a doença tem um curso lento e insidioso, às vezes com uma evolução lenta e fraca. Clinicamente pode ser assintomática, subaguda e em alguns casos, pode se tornar crônica. O período de incubação é de 7 a 21 dias e os sintomas são febre contínua, inespecífica, intermitente ou irregular, calafrios, diaforese, cansaço, anorexia e lombalgia (Pisani; Vacarezza; Tomasina; 2017). A forma crônica apresenta predominantemente sintomas neuro-psíquicos como melancolia, irritabilidade e prostração, ou ainda, diminuição da fertilidade (VERONESI, 1991).

Pessegueiro; Barata e Correia (2003) evidenciam a necessidade de criação de uma vacina humana e informam que estudos avaliando a potencial aplicação nos humanos de vacinas derivadas de mutantes de Brucella melitensis que parecem ser seguros nos animais estão em andamento por alguns pesquisadores.

A pasteurização do leite é uma prática fundamental para garantir a saúde dos consumidores e garantir a qualidade dos produtos alimentícios porque elimina patógenos em potencial e possibilita o controle da brucelose humana (PAULA et al.; 2015).

Freitas et al (2020) ressaltam que apesar de ser proibido, o consumo de leite e seus derivados, como queijo, manteiga, requeijão, entre outros, não pasteurizados este consumo é muito comum, principalmente devido a questões culturais da população do estado do TO. Paula et al (2015) vão além e relatam a venda de leite in natura de forma clandestina em diversas regiões brasileiras em descumprimento da legislação brasileira.

Produtos não inspecionados podem ser encontrados facilmente principalmente em feiras ao ar livre e mercados e este hábito alimentar pode favorecer a ocorrência da infecção (FREITAS, et al, 2020).

O conhecimento da real situação epidemiológica da brucelose é de extrema importância na implementação do um programa de controle e erradicação, porque permite escolher as melhores estratégias e acompanhar o andamento do programa e permite julgar as necessidades de alterações de estratégias. Neste sentido Baptista et al. (2012) ressaltaram a importância de programas estaduais próprios, para combate à brucelose, em respeito às diferenças regionais.

Infelizmente os estudos de prevalência e incidência (inquéritos sorológicos) são incipientes já que por terem sido realizados com parcelas da população sabidamente expostas ao risco não nos permite conhecer o real comportamento da infecção nos grupos humanos (SPINOLA & COSTA 1972).

Carvalho et al (2016) verificaram que a aquisição de animais infectados é o principal fator de introdução de brucelose em rebanhos livres quando a mesma  é realizada sem critérios sanitários. Afirmam também que é importante separar os animais que abortam do plantel e dar destino adequado ao material proveniente do aborto com o intuito de reduzir o risco de contaminação.

Leal Filho et al., (2016) e Carvalho et al (2016) concordam que é fundamental a fiscalização para que produtores testem os animais de reprodução antes de introduzi-los nas propriedades.

Por outro lado, Rocha et al, (2009) confirmam que a vacinação de bezerras com a B19 apresenta-se como fator protetor, já que a proporção de focos de brucelose em propriedades que vacinam foi menor do nas que não vacinam. A vacinação pode ser vista como um indicador de campo que comprova a eficiência da amostra vacinal.

A brucelose é uma doença crônica que causa reduzida mortalidade, fato que colabora para a baixa percepção dos pecuaristas quanto aos prejuízos que são capazes de gerar. Influencia negativamente os custos de produção por aumento de gastos com medicamentos, principalmente os dirigidos aos tratamentos secundários à infecção. A legislação brasileira não permite o tratamento de animais com diagnóstico positivo.  Eles devem ser eliminados do plantel (VALENTE, et al.; 2011).

No estudo de Pisani; Vacarezza; Tomasina (2017) o tratamento instaurado no diagnóstico dos trabalhadores foi com doxiciclina. As recaídas, entendendo por estas o aumento de sintomas e o aumento de marcadores sorológicos sem haver existido contacto com o agente, aparecem em 10% dos casos, normalmente no primeiro ano depois da infecção. Apresentam os mesmos sintomas que a forma aguda só que são menos intensos que o episódio inicial e podem ser tratados com ciclos repetidos dos antibióticos habituais. A maioria dos casos de recaída é devido ao tratamento inadequado. Também são frequentes os episódios de reinfecção da brucelose de origem nos profissionais devido a continua exposição a bactéria e a escassa aderência as medidas preventivas.

Ressalta‑se que a brucelose humana, por ser de difícil diagnóstico, é uma doença subnotificada e de pouca visibilidade pelas autoridades sanitárias no Brasil, muito embora seja de notificação obrigatória (CARVALHO et al.; 2016).

Pisani; Vacarezza; Tomasina (2017) reforçam a necessidade de equipamentos de proteção individual (EPI) adequados e suficientes para as diferentes tarefas principalmente quando se manipula animais sabidamente positivos para Brucella. Atentando especialmente para a necessidade do uso de EPI respiratórios e oculares aliados as boas práticas de higiene.

Dados levantados por Barbosa et al., (2016) em estudo sobre o conhecimento de produtores em relação à doença, mostraram que a maioria dos entrevistados desconheciam os sinais clínicos da brucelose, refletindo a necessidade de melhorias no serviço de extensão rural e orientação técnica.

Fica evidente a necessidade de educação sanitária para conscientizar os envolvidos sobre os impactos negativos que essa doença acarreta para a saúde pública e animal (CARVALHO et al.; 2016) e embora apresentem importância econômica, essa doença ainda não é discutida em termos de sanções dos mercados internacionais (VALENTI, et al, 2011). Ainda assim, é importante que o Brasil tome as medidas necessárias para evitar possíveis sanções comerciais no futuro.

Conclusão

  Considera-se necessário a realização de pesquisas regionais e nacionais para conhecer melhor a distribuição da enfermidade tanto nos animais quanto nos humanos.

Para a obtenção de sucesso no tratamento julga-se necessário cruzar os dados epidemiológicos dos humanos e dos animais e culminar com a confecção de protocolos de brucelose humana que norteiem os profissionais da saúde nas decisões e ações a serem tomadas em prol do controle da doença.

Em relação ao controle e a possibilidade de erradicação da brucelose nota-se a necessidade de ações efetivas em todos os níveis do serviço público, além do engajamento da iniciativa privada.

 

REFERÊNCIAS

 

BARBOSA, E. S.; ARAÚJO, J. I. M.; DA SILVA, A. L. A.; DE ARAUJO, J. M.. Perfil do conhecimento dos produtores sobre a brucelose na saúde pública, em Redenção do Gurgueia-Piauí. Pubvet, Maringá, v. 10, p. 795-872, 2016. Disponível em: <https://www.pubvet.com.br/artigo/3129/perfil-do-conhecimento-dos-produtores-sobre-a-brucelose-na-sauacutede-puacuteblica-em-redenccedilatildeo-do-gurgueia-piauiacute>. Acesso em: 03 ago. 2020.

 

BAPTISTA, F.; CERQUEIRA, R.; AMARAL, J.; ALMEIDA, K.; PIGATTO, C.. Prevalence and risk factors for brucellosis in Tocantins and Brazilian national program to fight this disease. Revista de Patologia Tropical, v. 41, n. 3, p. 285-294, 2012. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/iptsp/article/view/20755/12178>. Acesso em: 03 ago. 2020.

 

Carvalho, R. F. B.; Santos, H. P.; Mathias, L. A. Pereira, H. M.; Paixão, A. P.; Costa Filho, V. M.; Alves, L. M. C. Frequência de brucelose bovina em rebanhos leiteiros e em seres humanos na região central do estado do Maranhão, Brasil. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v. 83, P. 1-6, 2016. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180816572016000100239>. Acesso em: 21 mar. 2020.

 

FREITAS, N. S.; SANTOS, D. S.; ALMEIDA, K. S.; ALEXANDRINO, B. Perfil epidemiológico dos casos de brucelose humana notificados no município de Araguaina/TO, no período de 2010 a 2016. Revista Cereus, Gurupi, v. 12, n. 1, p. 117-136. 2020. Disponível em: <http://ojs.unirg.edu.br/index.php/1/article/view/2799/1598>. Acesso em 25 jul. 2020.

 

GENOVEZ, M. E. Brucelose humana reemerge como preocupante doença ocupacional. Boletim APAMVET, São Paulo, v. 5, n. 5, p. 15-19, 2014. Disponível em: <http://www.publicacoes.apamvet.com.br/PDFs/Artigos/42.pdf>. Acesso em: 21 mar. 2020.

 

Guerrier, G.; Daronat, J. M.; Morisse, L.; Yvon, J. F.; Pappas, G. Epidemiological and clinical aspects of human Brucella suis infection in Polynesia. Epidemiol Infect.; v. 139, n. 10, p. 1621-5, 2011. Disponível em: <https://doi.org/10.1017/S0950268811001075>. Acesso em: 21 mar. 2020.

 

GOMES, M. J. P. Gênero Brucella spp. Rio Grande do Sul: FAVET‑UFRGS, 2013. Disponível em: < >. Acesso em: 21 mar. 2020.

 

LEAL FILHO, J. M.; BOTTENE, I. F. N.; MONTEIRO, L. A. R. C.; PELLEGRIN, A. O.; GONÇALVES, V. S. P.; FERREIRA, F.; DIAS, R. A.; AMAKU, M.; TELLES, E. O.; GRISI-FILHO, J. H. H.; HEINEMANN, M. B. Control of bovine brucellosis from 1998 to 2009 in the state of Mato Grosso do Sul, Brazil. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 37, n. 5, p. 3467-3478, 2016.

 

López, G. P. Estudio descriptivo de la presentación de brucelosis humana en Colombia desde 2000 hasta 2012. Rev Med Vet, Bogotá, v. 28, p.67-79. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.org.co/pdf/rmv/n28/n28a07.pdf. Acesso em 25 jul. 2020.

 

MATHIAS, L. A. Brucelose animal e suas implicações em saúde pública. Biológico, São Paulo, v. 70, n. 2, p. 47-48, 2008. Disponível em: <http://www.biologico.agricultura.sp.gov.br/uploads/docs/bio/v70_2/47-48.pdf>. Acesso em: 21 mar. 2020.

 

 

MEGID, J.; MATHIAS, L. A; ROBLES, C. A. Clinical manifestations of brucellosis in domestic animals and humans. The Open Veterinary Science Journal, Birkenhead, v. 4, n. 1, 2010.Mufinda, f. c.; Boinas, f.; Nunes, c. Prevalência e factores associados à brucelose humana em profissionais da pecuária. Rev. Saúde Pública. p. 51-57, 2017. Disponível em: <https://benthamopen.com/contents/pdf/TOVSJ/TOVSJ-4-119.pdf>. Acesso em: 03 ago. 2020.

 

Paula, C. l.; Mioni, m. s. r.; Appolinário, c. m.; et al. Detection of Brucella spp. in unpasteurized cow milk by polymerase chain reaction (PCR). Arq. Inst. Biol., São Paulo, v. 82, p. 1-5, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/aib/v82/1808-1657-aib-1808-1657000252013.pdf>. Acesso em: 21 mar. 2020.

 

PESSEGUEIRO, P.; BARATA, C.; CORREIA, J. Brucelose – uma revisão sistematizada. Medicina Interna. v.10, n.2, 2003. Disponível em: <http://www.spmi.pt/revista/vol10/vol10- n2-brucelose.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2020.

 

PISANI, A.; VACAREZZA, M.  TOMASINA, F. Estudio de 14 casos de brucelosis en trabajadores de un frigorífico como enfermedad profesional. Uruguay 2009-2010. Rev. Méd. Urug., Montevideu,  v. 33, n. 3, p. 9-25, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S168803902017000300009&lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 21 mar. 2020.

 

ROCHA, C. M. B. M.; GOMES, G. S. Indicadores de produção relacionados com levantamento sanitário em rebanhos do núcleo Jersey Fernão Dias, no município de Lavras/MG, 1997. Ciência e agrotecnologia, Lavras, v. 23, n. 4, p. 938-947, 1999.

 

SPINOLA, A. G.; COSTA, M. D. M. Brucelose humana em operários de um frigorífico no município de Salvado,r Bahia, Brasil. Revista Saúde Pública., São Paulo, v. 6, p. 157-165. 1972.

 

Valente, l. c. m.; Vale, s. m. l. r.; Braga, m. j. Determinantes do Uso de Medidas Sanitárias de Controle da Brucelose e Tuberculose Bovinas. RESR, Piracicaba, SP, v. 49, n. 1, p. 215-232, jan/mar. 2011.

 

VERONESI, R. Doenças Infecciosas e Parasitárias. 8ª ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 24-520. 1991.

 

ZANELLA, J. R. C. Emerging and reemerging zoonoses and their importance for animal health and production. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 51, n. 5, p. 510-519, 2016. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/pab/v51n5/1678-3921-pab-51-05-00510.pdf>. Acesso em: 03 ago. 2020.